terça-feira, 20 de agosto de 2013

Noticias Policiais: Médico acusado de abuso sexual no Crato

 Diário do Nordeste

Um médico ginecologista de 31 anos foi acusado de assédio a uma criança de apenas 11 anos, no momento em que clinicava, no hospital desta cidade (540Km de Fortaleza). A mãe da criança fez a denúncia à Polícia, na noite do último domingo, e Charles Lawrence Guimarães foi preso em flagrante e autuado na 19ª Delegacia Regional de Policia Civil. O médico está recolhido na cadeia pública.

O caso foi encaminhado à Delegacia Especializada da Mulher, onde a delegada Fernanda Gomes de Matos obteve o depoimento da mãe da garota. A menina foi levada com sintomas de virose para ser consultada na emergência do hospital e a mãe suspeitou dos métodos de auscultar a criança utilizados pelo médico.

Negou
A Polícia foi acionada até o local, depois que a mãe afirmou que sua filha tinha sido beijada no seio pelo ginecologista. Ele chegou a ser questionado pela Polícia do ato, e negou as acusações.

Segundo a delegada, no depoimento a mãe afirma que o médico levantou a blusa da criança para auscultar com o estetoscópio. Depois que a garota tomou a medicação recomendada pelo plantonista, foi feito novo exame. Com o retorno da mãe e da menina ao consultório, conforme o depoimento, ele retirou a blusa e o sutiã da menina, aproximando o rosto do seio da criança e beijou o peito esquerdo. Ana Cibelle ainda chegou a questionar com o médico o método, que negou de ter beijado a criança.

Ainda de acordo com o depoimento, houve uma iniciativa da mãe de querer pegar o aparelho para que fosse feito o exame noutra sala, e o plantonista disse que não havia necessidade. A mãe chamou a equipe do Ronda do Quarteirão para prender o acusado. Durante o depoimento, conforme e delegada, o médico ainda negou as acusações, porém entrou em contradição e foi indiciado por estupro de vulnerável.

O médico foi detido em flagrante e levado pelos policiais do Ronda do Quarteirão para a delegacia. Somente depois o caso foi repassado para a Delegacia Especializada da Mulher. O médico foi enquadrado no artigo 217, do Código Penal Brasileiro, que reprime atos sexuais envolvendo menores de 14 anos. O crime não prevê fiança.

O médico deverá permanecer detido por 90 dias, mas pode pedir relaxamento de prisão. O ginecologista justificou que ocorreu um mal-entendido.

ELIZÂNGELA SANTOSREPÓRTER

Nenhum comentário:

Postar um comentário