quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Em vídeo, sargento da PM desabafa: “estamos brincando de enxugar gelo”

o pedir apoio do Comando e do Governo, o policial afirma que há como conter a violência, mas do 'jeito deles'


Um pedido de socorro geralmente é feito por uma vítima de violência, mas a carência de segurança chegou aqueles que fazem a proteção do Estado. Após a morte de mais dois policiais militares em Fortaleza, o sargento Mardônio, da Força Tática de Apoio (FTA), criticou as falhas nas leis e pediu apoio do Comando da PM e do Governo. A denúncia do PM foi feita no programa Barra Pesada.
De acordo com o oficial, os criminosos estão matando policiais para roubar armas e praticar outros crimes. “O que está faltando para nos ajudar é nós termos apoio e amparo dos nossos governantes e comandantes e a Justiça precisa, de imediato, de uma mudança nas leis, no Código Penal e no Estatuto do Adolescente”, desabafa.
O sargento Mardônio afirma ainda que adolescentes já sabem da deficiência no Estatuto da Criança e do Adolescente. “Hoje quem está mais matando são os menores, porque sabem da impunidade. Vai apreendido hoje, não passam 48 horas e já estão na rua. No máximo, quando o crime é muito grave, pegam uma pena de 45 dias, o que eles chamam de ‘engorda’. Vão para lá jogar bola, assistir televisão, beber, comer e dormir.”, afirma.
Em outro desabafo, o oficial diz que diariamente pessoas que respondem a crimes são soltos por falhas nas leis. “Nós estamos brincando de ‘enxugar gelo’. A polícia todo dia prende e os homens são soltos. O que é isso ai? As leis. As leis estão beneficiando. […] Tem elementos que a gente aborda com 10, 15 processos: homicídio, assalto, porte ilegal de armas, formação de quadrilha, tráfico de drogas. Os elementos nas ruas, soltos, curtindo porque as leis estão beneficiando”.
Quanto aos crimes contra policiais, o sargento da PM afirma que os criminosos estão mais audaciosos. “O policial é preparado, treinado, ele anda armado, mesmo assim os bandidos estão enfrentando e cada dia mais audaciosos e afoitos. Enfrentando e matando policiais para adquirir armas.”.
Ao pedir apoio do Comando e do Governo, o policial afirma que há como conter a violência, mas do ‘jeito deles’. “Nós estamos trabalhando […] nós estamos arriscando nossas vidas para defender a sociedade […] Hoje em dia o negócio está tão difícil pra gente que se a gente utilizar os meios necessários para conter um bandido, a força, somos afastados do trabalho e vamos para Controladoria responder processo administrativo”.
Procurado pelo Tribuna do Ceará, a assessor da PM, tenente coronel Fernando Albano, informou que o posicionamento do sargento Mardônio está sendo investigado pelo comando da Instituição.
Confira o depoimento completo do sargento à repórter Emanuella Braga:



Nenhum comentário:

Postar um comentário