domingo, 8 de dezembro de 2013

O enrosco da Petrobras - ISTOÉ Dinheiro


Ruídos na comunicação e conflito de interesses com O GOVERNO derrubam as ações da estatal, que busca fôlego para investir R$ 237 bilhões até 2017

Por Luís Artur NOGUEIRA
Eram 11h25 da segunda-feira 2 quando a presidenta Dilma Rousseff deu início à cerimônia de assinatura do primeiro contrato de partilha do pré-sal. No Salão Nobre do Palácio do Planalto, o clima era de festa, com a presença dos executivos da anglo-holandesa Shell, da francesa Total e das chinesas Petrochina e CNOOC, além da presidenta da Petrobras, Graça Foster, e do ministro de Minas e Energia, Edison Lobão. “É lucrativo participar de um campo que tem como reservas estimadas entre 8 e 12 bilhões de barris de óleo equivalente”, disse a presidenta Dilma. “Afirmo, sem receio, que a exploração do Campo de Libra é um ótimo negócio.”

O enrosco da Petrobras - ISTOÉ Dinheiro

Nenhum comentário:

Postar um comentário