segunda-feira, 10 de março de 2014

Crise no setor energético poderá resultar em aumento do preço da energia

Sem manutenção e sistema operando em carga máxima  um apagão perece ser inevitável.


A situação no setor elétrico esta se complicando. Segundo uma reportagem da revista Veja as distribuidoras estão comprando a energia mais cara e a conta vai ser paga ou pelo consumidor ou pelo contribuinte.
Outro ponto que esta sendo questionado e esta sendo uma preocupação é que para manter as usinas funcionando em sua capacidade máxima, ONS veta manutenção de equipamentos e expõe o setor a riscos que vão além da falta de água. Para manter o sistema funcionando em sua capacidade máxima, podemos comparar isso a um carro que roda quilômetros sem manutenção somente a base de “gambiarras”. 
Outro problema é o custo da energia  pois  o preço do megawatt/hora da região Norte no mercado livre dobrou de 200 para 400 reais, enquanto as estimativas apontavam para uma queda de 200 para 150 reais. Nesta semana, o preço vigente será de 670 reais – um novo salto.

As distribuidoras de energia poderão quebrar

Ao se ver obrigadas a atuar no mercado livre de energia, as distribuidoras tem amargado perdas severas. Apenas em fevereiro, a Associação Brasileira de Companhias Elétricas (ABCE) estima que elas tenham sido da ordem de 3 bilhões de reais. No ano, a previsão é que atinjam 25 bilhões de reais. Para arcar com essa compra de energia, as distribuidoras precisam ter caixa. Caso não tenham, há duas opções: ou quebram ou são resgatadas pelo Tesouro, que pode cobrir os gastos com o mercado livre com dinheiro público, por meio da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE).

Repasse de recursos para as distribuidoras de energia

Conforme a Agência Brasil o governo publicou na noite de sexta-feira (7), em edição extra do Diário Oficial da União, a regulamentação do repasse de recursos para as distribuidoras de energia para neutralizar os custos da compra extra de energia. Os ministérios de Minas e Energia e da Fazenda já tinham anunciado uma antecipação de R$ 1,2 bilhão para as concessionárias de distribuição de energia elétrica até a próxima terça-feira (11), para neutralizar as despesas das empresas. Os recursos são uma antecipação do orçamento de R$ 9 bilhões, previsto para a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE).

Conforme manchete da reportagem da revista Veja as manutenções estão proibidas e o setor esta em desordem e certamente quem pagará a conta é o consumidor, estima-se que a conta de luz tenha aumento de até 25% em 2015. Essa é uma situação que com certeza iremos pagar para ver.


Nenhum comentário:

Postar um comentário