sábado, 24 de maio de 2014

Leis trabalhistas e baixa produtividade são entraves para economia, diz ministro

Agência Brasil
O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Mauro Borges, disse ontem (23) que algumas leis trabalhistas e a baixa produtividade têm sido entraves para a competitividade da economia do país. Segundo ele, as leis são "uma herança bastante negativa para a competitividade de uma economia que quer ser integrada no mundo”, citando, por exemplo, normas do Ministério do Trabalho.
“Considero que esse é um tema crítico para a economia brasileira hoje. Cobre várias questões como, por exemplo, a questão da terceirização”, disse o ministro, ao participar de evento na Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan). Ele acrescentou que a Petrobras “não sobrevive” sem terceirização, assim como a Eletrobras que, “sem terceirização, também é inviável”.
O ministro destacou que no encontro das principais lideranças do setor industrial com a presidenta Dilma Rousseff no dia 22 foram discutidas dificuldades gerais provocadas pelas normas trabalhistas e os custos para o setor.

Borges lembrou que o Brasil está entre as cinco economias que mais cresceram desde 2008, embora a expansão não tenha sido suficiente, porém o país não entrou em recessão. Para Borges, a economia brasileira ainda é altamente indexada, processo que não foi totalmente eliminado. A questão dos salários e das relações de trabalho são parte desse processo de indexação e têm de ser enfrentados, de acordo com o ministro.
Quanto à produtividade, o ministro disse que “não tem como a gente continuar tendo ganhos reais de salários no Brasil sem atentar para a produtividade". "Qualquer economista sabe disso e o governo tem que explicitar isso. Tanto é que o governo tem uma política ligada à educação bastante rigorosa”.
O ministro defende que o país deve se integrar à economia mundial para resolver os problemas de oferta. “O Brasil tem um volume de comércio de  US$ 0,5 trilhão e deve ser integrado ao mundo”.  Para Borges, as oportunidades para essa integração estão nas áreas de infraestrutura, petróleo e gás, energias renováveis, incluindo hidrelétricas, logística de transporte, por exemplo. “Os problemas de oferta abrem oportunidades. E elas são monumentais”, ressaltou.
De acordo com o ministro, a pasta está em negociações com a União Europeia para um acordo comercial e busca também uma integração mais forte na América do Sul e na América Latina, considerando estratégica a proximidade com o México.

Nenhum comentário:

Postar um comentário