sábado, 6 de dezembro de 2014

Inflação em Fortaleza é a segunda do País

As grandes vilãs foram a batata e as carnes

A inflação em Fortaleza e região Metropolitana foi a segunda maior do país sendo superada apenas por Goiânia. A grande vilã da inflação na Região Metropolitana de Fortaleza, em novembro, foi a batata inglesa, produto que registrou a maior alta de preço (50,16%), seguido pelo maracujá (16,82%) e pela energia elétrica residencial (10,18%). Já os itens cortina (-7,55%), frango inteiro(-6,11) e cheiro verde (-6,04%) obtiveram as maiores quedas no IPCA.


O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) do mês de novembro apresentou variação de 0,51%, maior do que a taxa de 0,42% de outubro. O acumulado no ano de 2014 fechou em 5,58%, ficando acima dos 4,95% de igual período de 2013. Na perspectiva dos últimos doze meses o índice foi para 6,56%, um pouco abaixo dos 6,59% relativos aos doze meses imediatamente anteriores. Em novembro de 2013, a taxa havia sido 0,54%

Ministro diz que resultado foi positivo

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, considerou positivo o resultado do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em novembro, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O indicador, que mede a inflação oficial do país, ficou em 0,51%. “Acho que foi um bom resultado”, disse Mantega ao chegar há pouco ao Ministério da Fazenda. 

A vida para família com renda até 5 salários mínimos esta mais cara

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que mede a inflação para famílias com renda até cinco salários mínimos, registrou aumento de preços de 0,53% em novembro deste ano. A taxa é superior ao resultado de outubro do INPC (0,38%) e à inflação oficial (IPCA) de novembro, que ficou em 0,51%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A culpa é da carne

A carne teve alta de preço de 3,46% em novembro e, pelo terceiro mês consecutivo, foi o produto que mais pressionou a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Segundo a coordenadora de Índices de Preços do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Eulina Nunes dos Santos, o preço das carnes subiu ao longo de, praticamente, todo o ano de 2014.
Segundo ela, os principais motivos para a variação do preço foram a seca e os embates comerciais entre a Rússia e os Estados Unidos, que favorecem a exportação das carnes brasileiras. “No ano, a carne já aumentou 17%. A seca prejudica os pastos e faz com que o pecuarista compre mais ração, o que aumenta o custo. E as exportações do Brasil têm aumentado, principalmente para a Rússia, que deixou de comprar dos EUA para comprar do Brasil”, disse Eulina.

Com informações da Agência Brasil e Diário do Nordeste


Nenhum comentário:

Postar um comentário