sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

[Coluna Falando S/A] Economia para 2015

Nova Coluna Falando S.A.

Economia para 2015
O fato é que 2015 vai ser uma ano dificíl para a economia. A presidente Dilma prometeu que os mais pobres não serão prejudicados. Mas como fazer isso se o governo terá que cortar gastos e ainda arrecada para cobrir seu déficit? Um dos caminhos é o corte se subsídios fiscais , é lógico que setores como a indústria automobilística vai gritar e ameaçar com demissões, corte de produção e outras coisas do gênero mas o pais não pode se curvar a setores específicos da economia.

Outro ponto que precisa ser resolvido com urgência é a questão dos bancos públicos que não podem continuar atuando como financeira dos programas sociais pois se houver um "calote" generalizado estes não aguentarão o prejuízo e podem ir a falência.


O ano de 2015 vai exigir austeridade e controle de gastos por parte do governo,empresas e pessoas. O salto de melhora que tínhamos para alcançar já alcançamos, agora é corrigir o que esta errado para continuar crescendo.Dois setores que ao meu ver precisamos de melhoras urgentes no tripé saúde, segurança e educação para dar mais tranquilidade ao povo e preparar os novos tempos de crescimento.

Mais Avião
 O novo ministro da Aviação Civil, Eliseu Padilha, disse hoje (1º) que o Brasil deve aproveitar as oportunidades que estão surgindo com o crescimento da demanda por viagens de avião. “O governo deve estar à frente disso”, disse. Pouco antes de ser empossado, Padilha disse que 70% das viagens interestaduais hoje são feitas de avião, movimento que inverteu a realidade de dez anos atrás, que dava prioridade às viagens de ônibus.

Bom para as Micro e pequenas empresas
Micro e pequenas empresas terão diminuídas a carga tributária e a burocracia para a gestão de suas atividades. Haverá a unificação de oito impostos em um boleto e a diminuição da carga tributária. Segundo o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), essa diminuição será, em média, 40%.De acordo com o Sebrae, as mudanças podem levar à diminuição no prazo de abertura e encerramento das atividades. O tempo médio de espera para abrir uma empresa, por exemplo, cairá de 107 dias para 5 dias.

Carro novo mais caro
Quem comprar carro zero quilômetro a partir do dia 1° de janeiro de 2015 vai sentir diferença no preço com o fim da redução da alíquota do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). Para os carros populares, a alíquota sobe dos atuais 3% para 7%. No caso dos carros com motor flex (gasolina e etanol), que hoje recolhem 9% de IPI, a alíquota sobe para 11%, e os carros movidos só a gasolina, que pagam 10%, terão a alíquota aumentada para 13%.


Nenhum comentário:

Postar um comentário