sábado, 10 de janeiro de 2015

Operações simultâneas na França deixam 19 mortos e 20 feridos

Ataque em Paris

Três suspeitos do ataque ao jornal satírico Charlie Hebdo são mortos

Google Imagens
       
Um homem fez ontem (9) vários reféns em uma loja da Porta de Vincennes, no leste de Paris,  o autor pode ser o suspeito do assassinato de uma agente da polícia nessa quinta-feira (8). Pelo menos uma pessoa foi ferida no tiroteio no estabelecimento, uma loja kosher (judaica).

A policial que ficou ferida em um tiroteio em Montrouge, na periferia sul da capital francesa, morreu e o outro ferido, um funcionário municipal, está em estado grave.

A tomada de reféns foi feita porque prossegue em Dammartin-en-Goële, nos arredores do nordeste de Paris, uma operação das forças de elite francesas para prender os dois irmãos que estão em uma empresa com um refém.

A polícia francesa invadiu o estabelecimento, pouco depois das 17h, horário local (14h em Brasília), o supermercado kosher, no leste de Paris. Vários reféns foram libertados.
A invasão ocorreu logo após serem ouvidas várias explosões. De acordo com a imprensa francesa, o sequestrador foi morto.

A operação policial no supermercado parisiense ocorreu simultaneamente à realizada na localidade de Dammartin-en-Goële, a noroeste da capital, onde morreram os irmãos Said e Cherif Kouachi, suspeitos do atentado contra o semanário satírico francês Charlie Hebdo.
Segundo fontes das forças de segurança citadas pela France Presse, pelo menos quatro dos reféns também foram mortos.

Dois suspeitos do atentado ao Charlie Hebdo são mortos

Os irmãos Said e Cherif Kouachi, suspeitos do atentado de quarta-feira (7) ao jornal satírico Charlie Hebdo, foram mortos pela polícia francesa após intensa perseguição e cerco policial.
Várias explosões e tiros foram ouvidos nas proximidades da empresa gráfica na localidade de Dammartin-en-Goële, a noroeste da capital, Paris, onde os irmãos se refugiaram pela manhã, depois de uma troca de tiros com a polícia francesa, fazendo pelo menos um refém.
Segundo a agência de notícias France Presse, os suspeitos saíram atirando nos policiais que cercavam o prédio. A polícia conseguiu libertar um refém que os suspeitos mantiveram em cativeiro durante várias horas.

 Hollande elogia ação da polícia

O presidente da França, François Hollande, elogiou a ação das forças de segurança que resultou na morte de três suspeitos de terrorismo. O líder francês pediu “vigilância” à população, ressaltando a necessidade de os franceses serem “cautelosos” neste momento, mesmo com a segurança reforçada no país. Após três dias do atentado ao jornal, Hollande disse que o país “enfrentou”, mas “ainda não pôs fim, às ameaças de que é alvo”.

O presidente ressaltou que a França deve rejeitar o racismo e o antissemitismo. Para ele, os responsáveis pelo atentado são “fanáticos” e “não têm nada a ver” com a religião muçulmana. O Presidente chamou os franceses a participarem da marcha marcada para a tarde de domingo (11), em Paris que será feita em repudio aos atentados

Com informações da Agência Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário