segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

[Coluna Falando S/A] Nem todas as empresas sofrem com as crises



 Nova Coluna Falando S.A.
Nem todas as empresas sofrem com as crises
Todos sabem que o Brasil não terá um 2015 tranquilo com os ajustes fiscais e as reduções orçamentárias implementadas pelo governo federal mas empresas de cigarro com a Souza Cruz e Ambev estão em alta. Motivo: o brasileiro tende a se entregar a algum vicio para enfrentar as mazelas da vida.
Joaquim Levy fala do Brasil no exterior
O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, foi a Nova York e Washington para falar sobre a economia brasileira. O ministro foi “vender” o Brasil para os investidores e tentar com que as agências
internacionais não abaixem as notas de risco. Joaquim Levy falou que o Brasil teve “um deslize fiscal” em 2014 e que estão fazendo o possível para contornar a situação. O ministro exibiu imagens de fábricas construídas recentemente por multinacionais no País e disse que o Brasil está disposto a “confirmar a responsabilidade fiscal”, “avançar a agenda microeconômica” e “transformar a composição da dívida pública”
O que fazer para enfrentar uma crise 1º, 2º e 3º lições
Para enfrentar a crise que tente a ficar mais evidente nos próximos meses especialistas dão algumas dicas de como enfrentar essa “tempestade”. A 1º lição é cuidar do fluxo de caixa e controlar os custos, 2º lição vender melhor e com mais rentabilidade, 3º lição com os investimentos     seja seletivo e aplique o dinheiro em resultados rápidos.
O que fazer para enfrentar uma crise 4º, 5º e 6º lições
Vamos as três últimas lições 4º lição logística os custos de distribuição devem ser reduzidos ao mínimo, 5º lição procurar manter uma equipe talentosa é útil em qualquer cenário e 6º lição é comunicação pois se você deixar de se comunicar com o mercado vai ser esquecido e quando as coisas voltarem ao normal uma empresa pode gastar até 75% que uma empresa que continuou a se comunica com o mercado.
Classe C compra menos nos supermercados
Quarenta e sete por cento dos brasileiros da classe C compram atualmente menos produtos em supermercados que há seis meses, revela pesquisa divulgada hoje (20) pelo Instituto Data Popular. O levantamento mostra ainda que aproximadamente 41% compram a mesma quantidade e 12% compram mais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário