sábado, 23 de maio de 2015

Governo quer acertar mas corta na saúde e educação e quem paga é o povo

 

A saúde , onde existe mais problemas como surto de dengue, sarampo, Zica vírus entre outros  é contingenciada em R$ 11,774 bilhões.

Onde esta  o compromisso do Governo Dilma com a educação e saúde? Os ministérios das Cidades, da Saúde e da Educação lideraram os cortes no Orçamento Geral da União de 2015, de acordo com anúncio feito há pouco pelo Ministério do Planejamento. Juntas, as três pastas concentraram 54,9% do contingenciamento (bloqueio) de R$ 69,946 bilhões de verbas da União.


Na Saúde, o bloqueio atingiu R$ 11,774 bilhões, governo garantiu que o  orçamento  ficará acima do mínimo constitucional em R$ 3 bilhões, com recursos assegurados para o Sistema Único de Saúde e os programas Mais Médicos e Farmácia Popular

Na Educação, o contingenciamento totalizou R$ 9,423 bilhões mas foram garantidos o Pronatec e demais programas.

O corte nas emendas parlamentares ao Orçamento de 2015 chegará a R$ 21,4 bilhões, anunciou há pouco o Ministério do Planejamento. O corte atingirá as emendas individuais, coletivas e de bancada. O valor representa 30,6% do contingenciamento (bloqueio) de R$ 69,976 bilhões nas despesas discricionárias (não obrigatórias) previstas para este ano.  

Queda na arrecadação

A arrecadação registrou o menor resultado para o mês de abril em cinco anos: R$ 109,241 bilhões. Houve queda de 4,62% em relação a abril de 2014, descontada a inflação oficial. O ministro Joaquim Levy anda de olho nessa arrecadação e já pensa em aumentar alíquotas se a queda persistir. A queda é natura pois as pessoas estão comprando menos e com isso há menos arrecadação de impostos.

Menos empregos

O mês de abril registrou redução de 97.828 postos de trabalho com carteira assinada. O número representa uma queda de 0,24% com relação ao mês anterior. Esse foi o menor número registrado no mês de abril desde 2003. No período, ocorreram 1.527.681 admissões e 1.625.509 desligamentos. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado hoje (22) pelo Ministério do Trabalho e Emprego. 

PAC sofre contingenciamento de R$ 25,9 bilhões no Orçamento de 2015

O Principal programa de investimentos do governo federal, o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) sofreu corte de R$ 25,9 bilhões, respondendo por 37% do contingenciamento de R$ 69,9 bilhões no Orçamento de 2015. De acordo com o Ministério do Planejamento, o cronograma de investimentos preservará projetos estruturantes e em fase de conclusão. 

Em relação ao Minha Casa, Minha Vida, o ministro informou ser possível concluir a construção de 1,6 milhão de casas e lançar a terceira fase do programa habitacional no segundo semestre.

Recado do ministro 

As medidas são necessárias e como ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, Nelson Barbosa disse "Nossa prioridade é pagar todos os compromissos que o governo tem. Estamos [em alguns casos] reduzindo os prazos de pagamento. Vamos concluir o que está em andamento e iniciar projetos novos. Não na magnitude que se esperaria, mas haverá projetos novos".  

É isso ai  ao que parece o governo quer acertar porem os problemas na saúde precisariam de mais dinheiro e não de contingenciamento. Um problema que poderia ter sido atacado eram gastos com viagens e redução de pessoal com cargo comissionado e terceirizados. Outra medida que poderia ter sido implementada era a redução de ministérios. O que deixa a impressão é que que vai pagar a conta mais um vez é o povo.

Com informações da Agência Brasil e edição da redação

Nenhum comentário:

Postar um comentário