segunda-feira, 11 de maio de 2015

Sejus firma convênio com marca cearense de jeans para se instalar no presídio feminino

Resultado de imagem para presidio auri moura costa fortaleza
Google Imagens
Notícia boa
A arte do bordado transformada em uma alternativa de emprego e renda para internas do Instituto Penal Feminino Desembargadora Auri Moura Costa. Este é o objetivo de um novo convênio que a Secretaria da Justiça e Cidadania do Estado (Sejus) firma na próxima segunda-feira (11). A parceria é com a marca Fill Sete, empresa cearense de jeans conhecida por apresentar peças trabalhadas com grafite, rendas e etc. A assinatura do convênio ocorre, às 9h, no presídio feminino (KM 27 da BR-116), com a presença do secretário Hélio Leitão e dos sócios da marca, Thaty Rabelo e Adriano Mota.


Com a assinatura do convênio a marca irá contratar cinco internas que trabalharão em uma linha de produção da empresa instalada dentro da unidade prisional. As artesãs serão responsáveis por bordar as peças da empresa. Com o trabalho, além da remuneração, as internas são beneficiadas com a remição da pena, para cada três dias trabalhados, um é abatido da pena.

Para o secretário Hélio Leitão, a chegada de mais uma empresa à unidade prisional vem fortalecer o esforço de humanização que a gestão busca para o sistema penitenciário. “O trabalho é um dos principais – talvez mesmo o principal – instrumento de ressocialização dessas pessoas. E levar empresas para dentro das unidades prisionais é mostrar à sociedade que temos pessoas capazes de desenvolver um bom trabalho e, sobretudo, dignas de uma oportunidade”, pontua Leitão.

A diretora da marca, Thaty Rabelo, destaca que a ação mostra um lado inclusivo da moda. “É muito gratificante saber que estamos contribuindo para a ressocialização dessas mulheres. Quando saírem da unidade prisional, elas poderão ter uma vida digna, com um ofício”, aponta.

O diretor Adriano Mota deseja ser um estímulo para outras empresas cearenses. “É preciso mostrar que, como empresários, também temos nosso papel social, que as empresas privadas podem e devem investir em projetos que melhorem a vida das pessoas”, afirma.

A Sejus, dentro do projeto “Cadeias Produtivas”, busca levar a industrialização para dentro das unidades prisionais. No IPF já funcionam linhas de produção das marcas Famel e Colmeia. Na Penitenciária Francisco Hélio Viana está em fase de instalação uma linha de produção de pães congelados.
Grafite
E a parceria entre Sejus e Fill Sete não deve parar no IPF. A marca cearense já desenvolve um projeto de estímulo ao grafite como manifestação artística e formação profissional: o “Grafitando Emoções”. A partir do projeto, a empresa passa a apoiar o projeto já desenvolvido pela Sejus de ensinar grafite aos internos do sistema prisional.

Atualmente internos do Instituto Penal Professor Olavo Oliveira II (IPPOO II) e da Penitenciária Francisco Hélio Viana de Araújo têm aulas de grafite dentro do projeto apoiado pela empresa.

Fonte:Assessoria de Comunicação da Sejus

Nenhum comentário:

Postar um comentário