segunda-feira, 3 de abril de 2017

Fim do juro rotativo do cartão de crédito. Você está preparado?


 Banco, Bancário, Comprar, Chip, Crédito

Resumo explicativo das novas normas de refinanciamento da dívida do cartão de crédito.


São Paulo/SP (DINO) 31/03/2017

Depois de anos de sofrimento, o brasileiro finalmente se verá livre do crédito rotativo do cartão de crédito. Em algo próximo da escravidão financeira, os cartões de crédito chegavam a cobrar 486% de juros ao ano para quem não pagava a fatura. Graças a uma nova norma do Banco Central, em mais uma medida acertada do governo Temer, os bancos deverão parar de cobrar o rotativo a partir do dia 3 de abril. Hora de comemorar? Sim, mas também de se preparar para as novas regras que estão por vir. Você está preparado para o fim do juro rotativo do cartão de crédito?

O crédito rotativo acontece quando o cidadão não paga a fatura, ou paga somente o mínimo, e o valor restante é “rolado” para o mês seguinte. Com uma taxa de juros tão alta, isso gera uma bola de neve no endividamento que muitas vezes as pessoas simplesmente não conseguem pagar. Existem brasileiros com dívidas superiores a 50 mil reais no rotativo.

Fim do juro rotativo do cartão: a nova regra

Com a nova regra, após 30 dias do não pagamento da fatura do cartão, ou seja, 30 dias dentro do rotativo (que começa no dia seguinte ao vencimento da fatura), os bancos devem interromper a cobrança do rotativo e colocar o consumidor em uma nova forma de cobrança. Por padrão da indústria, os clientes que não quitarem o saldo devedor antes do trigésimo dia serão, na maioria dos casos, inseridos em um crédito parcelado com taxa de juros mais amiga.

Parece justo e maravilhoso, mas entrar no parcelado sem negociar por acabar sendo ruim. Isso acontece pois, por padrão, os bancos vão oferecer parcelamento em 12 ou 24 vezes. Embora a taxa de juros do parcelado seja mais baixa, a longa duração do parcelado pode acabar custando mais caro do que ficar um ou dois meses no rotativo. Por outro, se você parcelar num período inferior a 12 meses, ou se você fosse levar um tempo maior no rotativo para quitar a dívida, fica mais barato com a nova regra.

O jornal O Globo fez uma simulação muito interessante. Supondo que um cidadão deva mil reais no cartão de crédito e pague somente R$ 150, entrando com R$ 850 no rotativo, a situação dele seria a seguinte:

R$ 1.805 por 30 dias no rotativo e mais 11 meses de financiamento com a nova regra.
R$ 3.106,94 com 12 meses no rotativo, com pagamento no último dia do décimo segundo mês. A regra antiga.
R$ 1.926,61 com pagamento no quinto mês do crédito rotativo. A regra antiga.
R$ 1.757,99 com pagamento no quarto mês do crédito rotativo. A regra antiga.

Vai levar algum tempo até que a população se acostume com a mudança. A verdade é que o crédito rotativo era um péssimo negócio, tanto para o banco quanto para a população. Para o consumidor pesava a taxa de juros elevada, e para os bancos o rotativo era ruim pela alta inadimplência que ele causava. O devedor preferia não pagar a fatura e esperar para negociar depois de dois ou três anos.

Resumindo: O fim do juro rotativo do cartão é uma vitória para todos, pois vai dar mais liberdade financeira para as famílias, e também é bom para o sistema financeiro ao combater a inadimplência.

Nenhum comentário:

Postar um comentário